Pequenos Mochileiros | O que a cultura japonesa pode ensinar para as crianças?

O que a cultura japonesa pode ensinar para as crianças?

O que a cultura japonesa pode ensinar para as crianças?

8 maio, 2018 | Nenhum comentário
Categoria: Sem categoria

Entre as peculiaridades da cultura japonesa, um dos destaques é o foco na educação rigorosa e no respeito aos mestres por parte dos estudantes. O Japão mantém rigorosos costumes que considera importantes para a educação das crianças e a formação do cidadão.

Afinal, foi por meio da educação que o país conseguiu atingir excelência em diversas áreas e conta hoje com renomados cientistas e uma tecnologia de ponta.

Confira neste post algumas tradições do sistema de ensino japonês e como ele pode te ensinar a ver a educação infantil de outra forma.

Formação pessoal é o primeiro passo

No início da vida escolar, provas não são prioridades para o aprendizado. Até o quarto ano do Ensino Fundamental, quando os alunos estão com cerca de dez anos de idade, eles realizam apenas pequenos testes de conhecimento.

Os japoneses acreditam que nos primeiros três anos de escola, a formação como pessoa, o respeito às pessoas e aos animais, a busca pela verdade e autocontrole são mais importantes que os conhecimentos curriculares.

Responsabilidade e cidadania

Essa abordagem de formação pessoal continua em toda a vida escolar. As refeições oferecidas diariamente, por exemplo, são preparadas pela escola, mas os próprios alunos se revezam para servi-la aos colegas.

Os estudantes também são responsáveis pela limpeza. Diariamente os próprios alunos separam uma parte do horário que ficam na escola para realizarem essas tarefas. Divididos em pequenas equipes, eles se revezam para limpar as salas de aula, os corredores, o pátio e até os banheiros.

Essas duas atividades ensinam as crianças a trabalhar em grupo, ajudando-se mutuamente, e a assumir responsabilidades.

Relações de respeito e hierarquia

A hierarquia e o respeito são muito importantes na cultura japonesa. Ela é organizada por um sistema de honoríficos, que é um dos pilares da educação no que diz respeito ao convívio e tratamento social.

Tais honoríficos são ensinados desde a infância para ser usado para cada pessoa de acordo com o grau de intimidade ou posição social. Na escola, por exemplo, os alunos mais velhos são chamados de “Senpai”, que é uma espécie de tratamento equivalente ao nosso “veterano”.

Mas ele não significa apenas uma posição de ser mais velho em idade, mas sim para indicar figuras mentoras ou mais experiente que você. As escolas japonesas incentivam que os “senpais” participem da formação dos novatos, transmitindo o que já aprenderam.

Já o termo “Sensei” —que por aqui conhecemos na relação dos alunos de artes marciais com o professor— se refere àquele que é considerado um doutor ou um mestre no que faz, e é muito usado para se relacionar a professores, médicos, cientistas, advogados, escritores e artistas, por exemplo.

Preservando as tradições

O Japão é uma comunidade muito antiga e orgulhosa de sua história. Mesmo sendo hoje um país com uma ciência muito avançada e um enorme volume de tecnologias de ponta, as escolas e famílias incentivam o aprendizado das tradições da cultura japonesa.

Nas escolas, além das disciplinas voltadas para o aluno ingressar na universidade e na carreira profissional, são oferecidas atividades extracurriculares de caligrafia japonesa (Shodo), poesia japonesa (Haiku), artes marciais como o kendô, entre outras artes tradições do país.

Viu como a milenar cultura japonesa pode nos ensinar a ver a educação com perspectivas diferentes? Se você gostou deste post, confira também como os argentinos têm muito a nos ensinar sobre os benefícios do ócio.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *