Conhecendo a Matemática com o antigo Egito

Conhecendo a Matemática com o antigo Egito

15 maio, 2018 | Nenhum comentário

Entre os anos 3000 a. C. até os primeiros séculos da era Cristã, o povo do Egito foi bastante desenvolvido e alcançou feitos incríveis. Dentre eles estão grandes monumentos, como as pirâmides, uma sociedade extremamente organizada e um conhecimento matemático avançado.

Com aplicações práticas, até hoje muitos historiadores têm dificuldades em entender como eles conseguiram chegar tão longe com tão poucos recursos. Confira neste post algumas curiosidades sobre essa cultura, sua arquitetura e os desafios matemáticos dos antigos faraós, o que pode ajudar a despertar o interesse dos pequenos pela Matemática.

Inspiração na Astronomia

Anualmente o Rio Nilo se enchia, o que diminuía a área de terra cultivável em suas margens. Para não serem pegos de surpresa, os egípcios começaram a observar a posição dos astros no céu. Eles perceberam que a inundação anual acontecia pouco depois que a estrela Siriús se levantava a leste antes do sol.

Observando esse padrão, conseguiram estabelecer que ele era separado por 365 dias e criaram um calendário solar bastante fiel ao que utilizamos hoje: cada ano dividido em doze meses com trinta dias e mais cinco dias de festa no fim de ano.

Geometria avançada

A economia no Egito era assentada principalmente no cultivo de suas terras às margens do Nilo. A área cultivável era dividida igualmente entre os habitantes. Mas entre os meses de junho e setembro, com a alta das águas, seu leito aumentava e inundava uma vasta região circundante.

A partir da necessidade de remarcar o terreno não atingido pela enchente, os egípcios desenvolveram um sistema avançado de medição e de frações. Funcionários do estado utilizavam uma corda com vários nós como uma régua. A partir dela, calculavam áreas extensas e redistribuíam a terra para a população.

Padrão para contar

Aprender a contar é um dos primeiros passos na educação infantil. Conhecer outras formas de contar pode ajudar as crianças a compreenderem melhor esse sistema. Os egípcios, por exemplo, utilizavam um sistema simbólico diferente do nosso.

Em vez de utilizar símbolos para os algarismos de 0 a 9 e a partir das suas posições construir números maiores, sua contagem era de base dez. Utilizavam um símbolo para 1 unidade, outro para 10 unidades, 100 unidades, 1000 unidades e assim por diante. Para representar números maiores, como 321, por exemplo, eles utilizavam 3 símbolos para o numeral cem, 2 símbolos de uma dezena e 1 de uma unidade.

As incríveis e misteriosas pirâmides do Egito

As pirâmides são exemplos de conhecimento arquitetônico avançado e um trabalho de engenharia incrível. Atualmente são catalogadas mais de 118 construções desse tipo e a mais famosa é a de Quéops.

Essa pirâmide possui 146 metros de altura e foram utilizadas 590.712 pedras em sua construção, que variam de 2,5 a 70 toneladas. O mais curioso é o capricho dos egípcios nos detalhes: todas as pedras de mesmo peso possuem também o mesmo tamanho, com variação menor que 0,025 cm em qualquer medida adotada. Como um dado de jogos, também possuem ângulos perfeitamente retos em suas 6 faces, com precisão de 0,1 grau.

Esse nível de precisão assusta ainda mais quando considerados os recursos limitados na época. Mesmo hoje, com alta tecnologia, arquitetos e engenheiros têm grandes dificuldades com as proporções nas suas construções.

Viu como o passado tem muito a ensinar? Veja aqui como as tradições japonesas ajudam as crianças desse país a ter uma das melhores educação do mundo.



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *